Professores dão 11 dicas para se dar bem em provas dissertativas

Postado em 20/01/2018

Professores dão 11 dicas para se dar bem em provas dissertativas

Em provas dissertativas, nenhuma resposta é dada como opção e a única alternativa é confiar no próprio aprendizado, estudo, dedicação. Como afirma a coordenadora pedagógica do curso Objetivo Vera Lúcia da Costa Antunes, "é uma luta, o desempenho tem que ser o melhor. Por muito pouco, um candidato está dentro ou fora da briga". Confira 11 dicas de professores dos cursinhos Anglo, Objetivo e Etapa para realizar uma prova dissertativa com segurança.

1-Leia com atenção cada questão e direcione a resposta para o que está realmente sendo perguntado. "Se a pergunta é qual é o nome, a resposta deve ser o nome, se é identifique tal coisa, a resposta deve ser uma identificação. Não adianta escrever mais ou escrever aquilo que não foi questionado", diz Vera Lúcia, do Objetivo.

2-Seja objetivo e conciso, o que não significa ser lacônico. "Não adianta nada ficar enchendo linguiça, mas também não se deve dar respostas muito secas. Deve-se achar um meio termo, que demonstre conhecimento sobre o tema de maneira prática mesmo", afirma Alberto Francisco do Nascimento, coordenador de vestibulares do curso Anglo.

3-Utilize apenas o espaço destinado para cada resposta. "Nada de desenhar flechinha com vide verso ou continua ou qualquer coisa do gênero. O espaço é suficiente e nenhum corretor vai ficar fazendo malabarismos para encontrar a resposta completa", reitera Vera Lúcia, do Objetivo.

4-Capriche na letra e nos números. Pode ser bastão ou cursiva, "feia ou bonita", o que importa é que seja facilmente compreendida. "Ninguém vai ficar decifrando nada. Não adianta inventar também, querer usar um tipo de letra com o qual não se está acostumado bem no dia da prova", lembra Edmilson Motta, coordenador do Etapa Vestibulares.

5-Não fique preso a uma questão que você não sabe. A média de tempo por questão não deve ultrapassar 10 minutos. "Não conseguiu resolver, passe para outra. Muitas vezes o aluno deixa de resolver questões mais fáceis porque não teve tempo nem de vê-las na prova", comenta Edmilson.

6-Evite fazer rascunho. "É correr risco demais. Nesta etapa, as provas são trabalhosas demais. A da Unicamp, por exemplo, é longa, sempre traz mais de um item por questão. A melhor solução é treinar bastante em casa e tentar resolver questões como se estivesse fazendo mesmo um vestibular. Isso evita imprevistos e riscos", diz Vera Lúcia.

7-Eventuais erros de português não comprometem notas nas questões de ciências exatas, como química, física, matemática, por exemplo. "O foco do corretor não é esse. Se o candidato cometeu um deslize aqui ou ali de ortografia mas acertou a questão, é o que importa", diz Alberto do Nascimento, do Anglo.

8-Invista no estudo de matérias que você não gosta. "É óbvio que não é o que os alunos mais gostam de fazer mais, na maioria das vezes, essas matérias acabam sendo decisivas nos vestibulares, já que as provas hoje são cada vez menos específicas. As questões de exatas para quem presta humanas, por exemplo, podem ser o grande diferencial na concorrência", explica Edmilson Motta, do Etapa.

9-Busque informações nos sites das universidades. Sempre há dicas, questões de vestibulares anteriores e outras curiosidades. "O da Unicamp tem até uma seção de respostas esperadas pela banca. Dá para se ter uma ideia da expectativa dos corretores", indica Alberto do Nascimento, do Anglo.

10-Continue estudando. Mas estude para aprender e não apenas com o objetivo de passar. "Resolva provas anteriores, faça redações, tire dúvidas, utilize professores, plantonistas. Faça bom uso desses recursos, pois ainda dá tempo", recomenda Vera Lúcia, do Objetivo.

11-E por fim, lembre-se: 10 é uma nota quase inexistente no vestibular. "Estude. Dedique-se. Confie. Mas não queira saber tudo, pois ninguém sabe", lembra Alberto do Nascimento, do Anglo Vestibulares.

Fonte: Vestibular UOL

Outras Notícias

 

O momento mágico de contar histórias
Postado em 09/12/2018

Mais que uma linguagem prazerosa e educativa, a ação de contar e ouvir histórias possibilita o resgate da memória cultural e afetiva. Contar histórias é a mais antiga das artes. Nos velhos tempos, o povo se reunia ao redor do fogo para se esquentar, alegr...
leia mais »

Comportamento negativo dos pais aumenta risco de a criança se envolver com bullying
Postado em 26/11/2018

Pesquisadores da Universidade de Warwick, nos Estados Unidos, analisaram informações coletadas por 70 estudos diferentes, de 1970 a 2012, envolvendo mais de 200 mil crianças, para comprovar, mais uma vez, que o comportamento dos pais tem influência direta nas atitudes d...
leia mais »

Apneia do sono pode causar problemas comportamentais em crianças
Postado em 13/11/2018

Se o seu filho não anda dormindo bem, atenção! Pesquisadores da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, acabam de divulgar os resultados de um novo estudo que concluiu que a má qualidade do sono pode estar ligada ao desenvolvimento de uma série de problemas...
leia mais »